Em casa de pedra


Em casa de pedra eu cresci,
mas diante da friagem que senti, 
lindas flores eu colhi, 
fazendo eu acolher 
dentro meu ser 
o Amor de meu Senhor.


Dentro da casa de pedra
nada medra
a não ser 
a magoa dentro coração 
de um ancião
que durante anos sufocou
um terrível segredo
do qual nunca se libertou.

Na cozinha
eu não estava sozinha
quando no leito de morte
soava tao forte 
o segredo 
sendo revelado
cujo a aflição 
atingia meu coração
eu ainda menina
nada tinha a dizer
a não ser 
o dom de saber
que com a verdade revelada
eu viria a ser transformada. 

Nesta casa de pedra 
não só dor
eu senti,
pois  em cada flor 
que colhi
eu percebi
que a libertação
da dor
traz o amor
para nosso coração
com a ternura a doação 
do perdão a nosso irmão
encontramos a paz 
para nunca mais,
 olhar para traz.
o passado não pode ser mais modificado, 
mas podemos fazer com que o nosso futuro não seja mais condenado.
Na alma de cada criança
habita a esperança
de um mundo melhor
coberto com muita amor.
Vamos fazer de um tudo, para que nenhuma criança precisa morar numa casa de pedra, como eu um dia morei.
Não exatamente uma casa de pedra, pois ela pode ate ser um lindo palácio,  mas, o que não pode faltar é a verdade, o perdão,  a ternura do amor.  Se Amor não habitar no seio de cada família  toda a casa será uma casa de pedra.
Vamos ajudar na construção de um mundo melhor
aonde o Amor de nosso Senhor tenha a força Maior em cada coração humano.





Comentários

  1. Se o mar adormecer em desvario
    As ondas não mais se formarem
    Se as gaivotas se perderem do ninho
    As árvores mais altas tombarem

    Se o dia não encontrar a manhã
    As nuvens deixarem de chorar água pura
    Se as pedras da ilha roubarem a cor ao verde
    As tuas palavras deixarem de ser raiva dura

    Boa semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  2. Se o mar adormecer em desvario
    As ondas não mais se formarem
    Se as gaivotas se perderem do ninho
    As árvores mais altas tombarem

    Se o dia não encontrar a manhã
    As nuvens deixarem de chorar água pura
    Se as pedras da ilha roubarem a cor ao verde
    As tuas palavras deixarem de ser raiva dura

    Boa semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  3. Boa noite!!
    Amei seu post!Lindos versos.
    Boa semana e beijos.
    Soninha.


    *Tem post novo!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Alice:
    Vim rapidinho para dizer um olá, não deixe a friagem da casa de pedra entrar no seu coração
    Da amiga que não abandona
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  5. passando para sentir e levar um pouco da tua paz...
    beijos querida..

    ResponderExcluir
  6. Olá minha querida, vim agradecer a sua linda visita , o seu carinho no dia de hoje foi muito importante. Obrigada pelas felicitações, com certeza o dia ficou mais alegre e pleno .
    Em agradecimento sincero quero deixar um pensamento de um autor desconhecido que diz: Quero dizer que...
    É maravilhoso perceber que cada
    Amigo que cruza o nosso caminho
    é luz...É um prazer redobrado

    É a soma do amor ao quadrado.
    É a felicidade tê-lo ao nosso lado
    Amigos! Como é bom tê-los!
    Principalmente quando um deles
    É Você! Abraços da amiga de sempre Lourdes Duarte.
    Uma linda noite.

    ResponderExcluir
  7. Lindo poema, amiga Maria. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  8. Oiii Maria Alice, lindo poema, não deve ser nada fácil habitar uma casa assim tão triste apesar das flores, compartilho do mesmo desejo que vc, que as crianças possam ter melhor sorte! Abraços carinhosos!

    ResponderExcluir
  9. Querida Alice,quantas lembranças nessa casa de pedra!Quem conhece a sua história no livro Dois jovens em busca da felicidade,se emociona ainda mais com essa linda poesia!bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  10. Muito bonito o seu poema. Em uma casa deve habitar o amor e a ternura para que a paz possa, aí fazer morada.
    Beijos,
    Élys.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Muito obrigado pela sua visita ao mundo mágico do coração!
Seja sempre muito bem vindo!
Volte sempre...
Abraço fraterno
Maria Alice